Um estudo realizado por Buckminster Fuller, visionário e arquiteto americano, diz que até o ano de 1900 o conhecimento produzido pela humanidade dobrava aproximadamente a cada 100 anos. No final da Segunda Guerra Mundial esse período já havia caído para 25 anos. Hoje, esse cálculo é um pouco mais complexo devido às diferentes formas de conhecimento, mas, na média, o conhecimento humano dobra a cada 13 meses. De acordo com um estudo realizado pela IBM, considerando o impacto da Internet das Coisas (IoT), a projeção é que até 2030 o conhecimento da humanidade dobre a cada 12 horas!

Em mundo onde o conhecimento assume um crescimento exponencial, aprender a aprender torna-se mais importante do que saber! Neste cenário, devemos nos ajustar e quebrar alguns paradigmas como:

Conhecimento “Just in Case” vs “Just in Time”

O maior diferencial no mercado não é mais um MBA, sua experiência ou uma certificação (Conhecimento Just in Case), é sim a sua capacidade de se adaptar e aprender mais rápido do que os seus pares e concorrentes se adaptam e aprendem (Conhecimento Just in Time).

A Tecnologia como “MEIO” não como “FIM”

Devemos entender que, apesar de trazer grandes impactos no nosso dia a dia, a tecnologia é apenas o “como” e as pessoas são o “porquê”. No processo de aprendizagem a tecnologia atua como catalisador alavancando o engajamento das pessoas através da interatividade, praticidade e acessibilidade do conteúdo.

Andragogia vs Pedagogia

O conhecimento deve ser descodificado e transformado em habilidades e competências que gerem resultados. Precisamos quebrar o paradigma de ensino pedagógico adaptando-o à realidade andragógica, ensino para adultos, buscando a maximização e absorção do conhecimento através da aplicação prática.

A Falácia do Conhecimento

Um dos principais desafios em se cultivar inovação está na relevância que o conhecimento tem para nos expressarmos como indivíduos. Vivemos em um paradigma e acabamos nos definindo pelo conhecimento que adquirimos. Deixar de saber o que sabemos passa pela crise em deixar de ser quem somos.

Não é conhecimento que nos define, mas a nossa capacidade de transformá-lo em resultados. Portanto, o conhecimento é apenas o meio. Podemos chegar aos nossos resultados de formas mais eficientes ou a resultados superiores das mesma forma.

Segundo Alvin Tofler, futurista e escrito americano:

 

“O Analfabeto do século XXI não será mais aquele que não sabe ler e escrever, será aquele que não sabe aprender, desaprender e reaprender.”

 

A parte mais relevante na nova equação do aprendizado apresentada acima é o processo de desaprender não só pela sua importância, mas, também, pelo desafio em abandonar o conhecimento adquirido para tentar algo novo.

A única forma de inovarmos é desafiar o nosso conhecimento dia a dia e nos esforçarmos no processo de desaprendizagem para trazermos novos resultados para processos já estabelecidos.

Read More


 

Cultura é o maior ativo de qualquer negócio.

Atualmente, vejo muitas empresas em busca dos pilares para construir uma cultura de inovação. Quando resgatamos o conceito básico de cultura, nos primórdios das ciências sociais, temos que a definição de cultura é o conjunto de comportamentos e valores. Diante deste raciocínio e contra todos os vieses intuitivos, o maior investimento que uma organização deve fazer para construir uma cultura de inovação é nos seres humanos e não na tecnologia.

Máquinas não possuem valores ou comportamentos, seres humanos sim! A base da construção para uma cultura de inovação está no cultivo dos valores que definem, de maneira intrínseca e direta, o nosso comportamento no dia a dia, se queremos comportamentos inovadores, devemos cultivar valores que despertem e ancorem a inovação.

Separei neste artigo 3 valores que atuam como pilares dentro de uma cultura de inovação, bem como os comportamentos eles direcionam.

 

VALOR – Curiosidade

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Esta é uma das principais características dentro de uma cultura de inovação. Pessoas curiosas elevam a sua capacidade de aprender, estão sempre em busca do “porquê”, dos princípios e da lógica de funcionamento do mundo ao seu redor. A curiosidade faz parte da nossa natureza, todos os seres humanos carregam essa virtude ao longa da infância, mas é algo que poucos acabam retendo durante a vida adulta. Curiosidade é a chave da porta de abertura para o novo.

COMPORTAMENTO – Mindset Beta Contínuo 

Todo produto ou serviço, antes de ser lançado, possui uma versão Beta, um protótipo de teste que é disponibilizado para que os consumidores usem e aperfeiçoem suas funcionalidades e características antes do seu lançamento definitivo. Versão Beta significa algo que está em desenvolvimento. A priori, imaginamos essa versão como algo provisório e de vida efêmera, entretanto, serviços como o Gmail mantiveram sua versão Beta por mais de 5 anos.

Estamos sendo bombardeados por novas informações, conhecimentos, ferramentas e tecnologias a todo momento. Para maximizar a nossa capacidade de absorção de tudo que o mundo ao nosso redor pode oferecer, nossa mente deve estar em um estado de Beta contínuo, sempre aberta ao novo e em constante desenvolvimento.

As melhores ideias são apenas partes de uma ideia ainda melhor que simplesmente ainda não foi criada e esta em constante desenvolvimento. Termos a ciência de que a nossa mente é algo em desenvolvimento contínuo é o primeiro passo para prosperarmos em uma cultura de inovação.

 

VALOR – Coragem

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Desafiar o conhecimento existente, encarar e quebrar os paradigmas, entender e assumir riscos dos impactos que o novo pode trazer para a nossa rotina. Coragem é um valor essencial dentro de uma cultura de inovação.

 

COMPORTAMENTO – Predisposição para aprender com os erros

 

Precisamos pensar nos erros de uma forma diferente. Eles são uma consequência inevitável de se fazer algo novo, sem eles não haveria originalidade.

Thomas Edison, inventor da lâmpada elétrica após mais de 1000 tentativas, ao ser questionado sobre a sua persistência neste projeto, que supostamente estava fadado ao fracasso, respondeu:

 

“Eu não fracassei, só descobri 1000 maneiras que não deram certo.”

 

Contudo, mesmo que aceitemos que o erro é parte importante do aprendizado, temos que reconhecer que ele é doloroso e nossos sentimentos a respeito desta dor tendem a impedir a compreensão do seu verdadeiro valor.

Para separar as partes boas e más do fracasso é preciso reconhecer a realidade da dor e os benefícios do crescimento resultante.

Erros só são válidos se geram aprendizado, os mesmos devem ser assumidos com responsabilidade dentro de um ambiente controlado e obedecendo a máxima:

“Fail fast and cheap” = “Falhe rápido e barato”.

VALOR – Ambição

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

“Se seus objetivos forem ambiciosos e ousados o bastante, até o fracasso será uma ótima realização”.

Esta frase é do Larry Page, fundador do Google e representa, e muito, a necessidade de termos a ambição como valor no processo e aprendizagem.

A ambição pelo conhecimento, pela alta performance, pela segurança, pela eficiência, é combustível no processo de busca pelo novo e alimenta a nossa resiliência frente às frustrações oriundas dos fracassos inerentes ao processo de busca pelo novo. Grandes empreendimentos são semeados e sedimentados em ambientes onde as pessoas são ambiciosas para criar, construir e contribuir para o crescimento do negócio.

 

COMPORTAMENTO – Espírito Empreendedor

 

A ambição nos leva a ter um comportamento diferenciado com a nossa performance, projetos e carreira, assumindo uma postura empreendedora, utilizando o nosso conhecimento como insumo para alavancar nossos resultados pessoais, profissionais e corporativos, tratando-os como empreendimentos.

O intraempreendedorismo que significa empreendedor interno, ou seja, empreendedorismo dentro dos limites de uma organização já estabelecida, é um sistema para acelerar o aprendizado e, por consequência, inovações dentro de grandes empresas, através do uso melhor dos seus talentos empreendedores e é um grande diferencial para pessoas e organizações que querem se destacar dentro do contexto exponencial que estamos vivendo.

Read More


 

Flexibilidade para fazer o próprio horário, fugir do trânsito, ter o luxo de trabalhar de bermuda e havaianas, aproveitar melhor o tempo para se dedicar à qualidade de vida, realizar tarefas de casa entre uma pausa e outra. A lista dos benefícios do modelo de trabalho Home Office realmente parece um paraíso, mas a verdade é que este paraíso está repleto de armadilhas.

Há praticamente 3 anos comecei a empreender e o Home Office se tornou uma prática muito forte no meu negócio. Vivenciei na pele algumas das armadilhas deste modelo de trabalho. Vou compartilhar neste artigo alguns desafios e boas práticas que desenvolvi ao longo deste período, bem como algumas dicas que podem alavancar a sua produtividade para performar neste formato.

Os principais desafios são:

  1. SEPARAR AS ROTINAS ENTRE SEU “HOME” E O “OFFICE”;
  2. NEM TODO “HOME” ESTÁ PREPARADO PARA SER UM “OFFICE”;
  3. SER PRODUTIVO NO SEU “OFFICE” AT “HOME”;

Todo o artigo será desenvolvido ao redor destes 3 pontos, vamos lá!?

  • SEPARANDO AS ROTINAS ENTRE SEU “HOME” E O “OFFICE”
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O sonho de trabalhar de pijama, no sofá, assistindo televisão, é utopia, sua coluna vai te mostrar que isto não é sustentável a curto, que dirá a longo prazo. Além disso, a TV requer sua visão e audição, 2 dos seus 4 sentidos, que são responsáveis por 100% da sua concentração.

🤖CRIANDO UMA ROTINA DE ATIVAÇÃO DO MODO “OFFICE”

Determine um horário para pular da cama. Não importa se vai acordar às 5h da madrugada ou às 10h da manhã, é fundamental que isto se transforme em uma rotina e, é claro, que seja sustentável! Particularmente, não recomendo acordar em nenhum horário antes do sol nascer e nem depois de ele ficar muito quente.😉

Acredite! O seu corpo é muito sábio, mas, você precisa dizer a ele que acordou, que precisa sair do modo preguiça e começar a produzir. Iniciar o dia com a prática de um esporte ou caminhada é uma das melhores formas de fazer isto, caso contrário, tomar um banho e trocar de roupa já é um bom começo.

Se você mora em um grande centro urbano, provavelmente perde, ou perderia, uma média de 2 horas por dia no trânsito para ir e voltar ao seu trabalho. Aproveite este tempo para você, use-o com sabedoria. Utilize uma parte deste tempo para exercitar a mente, recomendo a leitura, de preferência antes do início da sua jornada, afinal de contas conhecimento nunca é demais.

Ajuste todos os seus compromissos para viabilizar suas rotinas de iniciação do modo “OFFICE”. Em alguns dias você não conseguirá tempo para realizá-las. Fique tranquilo, isto é um excelente sinal, significa que você entrou no modo “OFFICE AUTOMÁTICO”. Cuidado para não passar do ponto e transformar o seu “HOME OFFICE” em “OFFICE HOME”.

Não se esqueça de um ponto muito importante! Nem todas as pessoas conseguem trabalhar em Home Office e, se este for o seu caso, não existe fórmula milagrosa. Se seguir todos os passos deste artigo e ainda sim tiver problemas, o melhor a se fazer é investir um pouco para trabalhar o mais próximo de casa possível. Como dica para conseguir um lugar legal, perto da sua casa, recomendo o Beer or Coffe, uma plataforma que localiza um coworking mais próximo a você. Daria para trabalhar cada semana em um lugar diferente e, neste caso, você deixaria de fazer “HOME OFFICE” para ser um “NOMAD WORKER”, que também é bem legal!😉

  • PREPARANDO O SEU “HOME” PARA SER UM “OFFICE”

Um dos riscos de trabalhar em casa é se deixar levar pelos confortos e distrações que sua casa oferece, este é um dos maiores benefícios do seu “HOME” e uma das maiores armadilhas para o seu “OFFICE”.

No geral, quando construímos e mobiliamos nossas casas e apartamentos, pensamos muito no conforto, bem estar e convívio social, estes itens são os que governam tanto a arquitetura como a escolha dos móveis. Se o seu apartamento ou residência não possui um escritório, a criação da estação de trabalho no seu ambiente doméstico exigirá algumas adaptações para que consiga criar uma separação entre seu ambiente laboral e sua vida doméstica.

👨🏻‍🚀CRIANDO UMA ESTAÇÃO DE TRABALHO QUE SEJA UMA “DESCONTINUIDADE NO ESPAÇO-TEMPO” DA SUA CASA

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Se você nunca trabalhou em Home Office ou apenas realizou algumas reuniões ou atividades pontuais de casa, a primeira coisa que irá perceber quando tiver que tocar toda a rotina de trabalho direto da sua residência é que os seus vizinhos, crianças, cachorros e mesmo a rotina dentro da sua própria casa fazem muito mais barulho do que você imaginava. Uma das ferramentas mais eficaz para criar uma descontinuidade no espaço-tempo da sua casa se chama HEADSET!

🎧O SANTO GRAAL DO HEADSET E A BUSCA DA CONCENTRAÇÃO CONTÍNUA

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Uma das fórmulas secretas para se livrar de todos os ruídos indesejáveis, que podem atrapalhar a sua concentração, é ter um fone de ouvido de qualidade. Super recomendo o modelo bluetooth da Xiaomi, possui um excelente custo benefício e é muito confortável.

Para completar o seu ISOLAMENTO SONORO PRODUTIVO, a escolha da playlist correta pode fazer toda diferença para sua performance. Músicas do ritmo da sua preferência que não possuam letras podem ser extremamente benéficas para aumentar a sua concentração.

Uma excelente ferramenta para escolher playlists, que vão dar uma alavancada na sua produtividade, é o focus@will, um app que monitora seu nível de produtividade de acordo com o tipo de música que você está escutando! Simplesmente fantástico! Ele ainda lhe recomenda novas faixas baseadas no seu histórico de máxima performance.

Não se esqueça que, em caso de video e teleconferências, gerenciar o barulho externo é quase impossível. Descobri isto da pior forma, quando no meio de uma live, alguém no meu condomínio precisou usar uma furadeira ou quando estava em uma call super importante com um cliente e um cachorro solitário começou a uivar desesperadamente.

🚀CÁPSULA DE TELETRANSPORTE DA PRODUTIVIDADE (C-POD)

Protótipo de um C-POD

Além da utilização de um headset, sua estação de trabalho precisa ser algo que, literalmente, te desconecte da sua casa e lhe traga o máximo de concentração possível. Para isto, um dos pré-requisitos é que você construa uma cápsula de concentração, do inglês “concentration pod”, que teletransporte você para longe do buraco negro das distrações que estão dispersas na sua casa.

Neste tópico vamos abordar as questões físicas do seu ambiente de trabalho para construção da sua cápsula. Segue abaixo um passo-a-passo do tipo construa você mesmo o seu C-POD:

  • Não construa o seu “C-POD” em um local de grande circulação da casa. Um quarto de visita seria o ideal, caso não possua quartos extras, busque o local de menor circulação de pessoas na sua residência. Quartos de bagunça após organizados se transformam em excelentes “C-PODs”.
  • O seu “C-POD” deve lhe remeter a trabalho para onde quer que você olhe, logo, trabalhar de frente para uma parede, se possível utilizando um segundo monitor, seria excelente. Transforme esta parede em um painel de trabalho, quanto maior for o painel melhor. Se tiver espaço, escolha uma parede grande o suficiente para ocupar todo o seu campo de visão.
  • Alimente seu painel de trabalho com post-its contendo seus principais projetos e ações prioritárias da sua agenda. Uma boa prática é associar a prioridade das suas tarefas às cores dos post-its usando o bom e velho vermelho, amarelo e verde para criar uma “cromo-priorização” e deixar o seu “C-POD” mais estiloso.
  • Mesmo que seu “C-POD” não seja definitivo, você deve ter tudo que precisa ao alcance da sua mão. Gaveteiros e organizadores móveis podem ser de grande auxílio em caso de “C-PODs” itinerantes.
  • A construção de um “C-POD” é algo muito único e pessoal, portanto, as medidas são algo fundamental, um conjunto de cadeira e mesa que se adapte à sua necessidade ergonômica é crucial. Chamo isto de conforto funcional, você deve ser capaz de passar horas dentro da sua cápsula sem que haja desconfortos físicos. Ninguém é capaz de se concentrar, plenamente, em uma situação de desconforto.
  • O seu C-POD deve possuir um dispositivo para controlar a luz natural, descobri que aquela máxima de trabalhe em local iluminado e arejado não funciona para todo mundo. Aprendi que tenho minha intensidade de iluminação ideal para conforto do meu trabalho e que cada um tem a sua. Algumas vezes a luz natural pode exceder o seu ponto ideal de conforto e cortinas convencionais ou persianas podem lhe ajudar a encontrar a sua iluminação ideal. Quer vc acredite ou não isto pode lhe deixar mais produtivo.
  • Se você é um daqueles viciados em redes sociais, sente que às vezes o seu tempo não rende porque recebe milhares de push, de “n” aplicativos diferentes. Existe um dispositivo opcional que não pode faltar no seu C-POD. O Focus Lock é um aplicativo que cria uma trava para alguns aplicativos. É uma solução mais ousada e funciona para quem não sai das redes sociais na hora do trabalho. Com um simples sistema de senha, ele impossibilita que o usuário abra os apps durante certo período no dia e só é desbloqueado quando o prazo terminar.

Com o seu C-POD construído agora é hora de aprender a pilotá-lo e tirar o máximo da sua produtividade.

  • COMO SER PRODUTIVO NO SEU “OFFICE” AT “HOME”?
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Os dois pontos apresentados anteriormente são fundamentais para garantir que tanto a sua rotina quanto o seu ambiente favoreçam para sua produtividade, entretanto, torna-se essencial a utilização de algumas ferramentas e técnicas para extrair o máximo da sua performance.

O primeiro ponto é entender os princípios que regem as variáveis da sua produtividade e, para isto, teremos que falar um pouquinho sobre um triângulo amoroso.

💟ENTENDO O TRIÂNGULO AMOROSO DA PRODUTIVIDADE

A história é que a produtividade é apaixonada pela rotina, que por sua vez, morre de amores pela disciplina. O problema é que, de vez em quando, a disciplina briga com a rotina e a produtividade acaba entrando em baixa por causa disto.

Construir padrões de rotina que alimentam sua disciplina e vice-versa é a melhor forma de garantir que sempre estará extraindo o máximo da sua produtividade. Para isto, você deve criar sistemas para te gerenciar.

PROGRAMANDO ALGORITMOS PARA SUA PRODUTIVIDADE

Todos os algoritmos da produtividade são criados sob o conceito básico da finitude temporal e da abundância de demandas. Este é um fato inegável, você sempre terá mais demanda do que tempo para realizá-las. Baseado neste conceito, todas as ferramentas de produtividade são programadas utilizando apenas linguagem O&P (Organização e Priorização).😉

Uma das grandes barreiras da produtividade é que as pessoas acreditam que não precisam anotar, organizar e priorizar suas demandas. Elas acabam usando o cérebro, uma excelente ferramenta de precisão, como uma ferramenta de carga, sobrecarregando-o de informações que poderiam ser geridas de forma muito mais eficaz com um simples calendário.

Isso mesmo, o “simples calendário”, inventando há quase 5.000 anos, atualmente automatizado e aperfeiçoado no Google Agenda, é um dos maiores aliados para monitorar sua rotina e criar um sistema eficiente para te monitorar.

Poderia citar umas 45 ferramentas de produtividade diferentes, mas acredito que o básico de utilizar a linguagem O&P para programar o Google Agenda é mais do que o suficiente para você alcançar a sua máxima performance. Mas, caso tenha interesse em mais algumas ferramentas, tenho um artigo escrito no meu blog sobre As Top 10 ferramentas Digitais para Revolucionar sua Produtividade.

Você deve estar pensando que ainda assim existe a possibilidade de dar aquela empurrada e acabar procrastinando algumas demandas importantes. E a minha resposta é sim, você vai procrastinar!

PROCRASTINAÇÃO PRODUTIVA

Procrastinar faz parte da natureza humana e é inútil tentar lutar contra este nosso defeito de fábrica. Você atualmente procrastina no seu modelo de trabalho e pode piorar, significativamente, quando começar a trabalhar de casa.

O melhor a se fazer é criar uma estrutura onde você possa procrastinar produtivamente utilizando este problema a seu favor e não contra você. Se ficou curioso e quiser saber mais sobre a PROCRASTINAÇÃO PRODUTIVA, tenho um artigo inteirinho somente sobre esta tema, clica aí no link e vai lá dar uma conferida.

Para finalizar, acredito que a combinação de uma rotina que crie um rito da sua saída virtual do “HOME” para o “OFFICE”, associada a um ambiente de trabalhado adequado no modelo C-POD e coordenado por uma ferramenta que você utilize para se monitorar e fazer a gestão das suas demandas é o kit básico para você decolar do seu Home Office.

Se você chegou até aqui é porque este conteúdo valeu a pena. Então compartilhe! Este conteúdo é gratuito e quanto mais pessoas puderem acessar, melhor!

Read More